Paulo Freire e os Temas Geradores




Paulo Régis Neves Freire, educador pernambucano, nasceu em 19/9/1921 na cidade do Recife. Foi alfabetizado pela mãe, que o ensina a escrever com pequenos galhos de árvore no quintal da casa da família. Com 10 anos de idade, a família  mudou para a cidade de Jaboatão.


TEMAS GERADORES

         A proposta de Freire parte do Estudo da Realidade (fala do educando) e a Organização dos Dados (fala do educador). Nesse processo surgem os Temas Geradores, extraídos da problematização da prática de vida dos educandos. Os conteúdos de ensino são resultados de uma metodologia dialógica. Cada pessoa, cada grupo envolvido na ação pedagógica dispõe em si próprio, ainda que de forma rudimentar, dos conteúdos necessários dos quais se parte. O importante não é transmitir conteúdos específicos, mas despertar uma nova forma de relação com a experiência vivida. A transmissão de conteúdos estruturados fora do contexto social do educando é considerada "invasão cultural" ou "depósito de informações" porque não emerge do saber popular. Portanto, antes de qualquer coisa, é preciso conhecer o aluno. Conhecê-lo enquanto indivíduo inserido num contexto social de onde deverá sair o "conteúdo" a ser trabalhado.
 Princípios do Método de Paulo Freire

1º - Politicidade do ato educativo.


              Um dos axiomas do Método em questão é que não existe educação neutra. A educação vista como construção e reconstrução contínua de significados de uma dada realidade prevê a ação do homem sobre essa realidade. Essa ação pode ser determinada pela crença fatalista da causalidade e, portanto, isenta de análise uma vez que ela se lhe apresenta estática, imutável, determinada, ou pode ser movida pela crença de que a causalidade está submetida a sua análise, portanto sua ação e reflexão podem alterá-la, relativizá-la, transformá-la.
             O alfabetizando é desafiado a refletir sobre seu papel na sociedade enquanto aprende a escrever a palavra sociedade; é desafiado a repensar a sua história enquanto aprende a decodificar o valor sonoro de cada sílaba que compõe a palavra história. Essa reflexão tem por objetivo promove a superação da consciência ingênua - também conhecida como consciência mágica[1] - para a consciência crítica[2].
            As salas de aula transformaram-se em fóruns de debate, denominados "Círculos de Cultura". Neles, os alfabetizandos aprendem a ler as letras e o mundo e a escrever a palavra e também a sua própria história.
            O professor, contrariando a visão tradicionalista que atribui a ele o papel privilegiado de detentor do saber, é denominado "Animador de debates" e tem o papel de coordenar o debate, problematizar as discussões para que opiniões e relatos surjam. Cabe também ao educador conhecer o universo vocabular dos educandos, o seu saber traduzido através de sua oralidade, partindo de sua bagagem cultural repleta de conhecimentos vividos que se manifestam através de suas histórias, de seus "causos" e, através do diálogo constante, em parceria com o educando, reinterpretá-los, recriá-los.

2º - Dialogicidade do ato educativo

         Para Freire, a base da pedagogia é o diálogo. A relação pedagógica necessita ser, acima de tudo, uma relação dialógica.Essa premissa está presente no método em diferentes situações: entre educador e educando, entre educando e educador e o objeto do conhecimento, entre natureza e cultura.
         A dialogicidade, para Paulo Freire, está ancorada no tripé educador-educando-objeto do conhecimento. A indissociabilidade entre essas três "categorias gnosiológicas" é um princípio presente no Método a partir da busca do conteúdo programático.

 Momentos e fases do Método Freire


1º Momento: Investigação Temática – Pesquisa Sociológica: investigação do universo vocabular e estudo dos modos de vida na localidade (Estudo da Realidade). O estudo da realidade não se limita à simples coleta de dados e fatos, mas deve, acima de tudo, perceber como o educando sente sua própria realidade superando a simples constatação dos fatos; isso numa atitude de constante investigação dessa realidade. Esse mergulho na vida do educando fará o educador emergir com um conhecimento maior de seu grupo-classe, tendo condições de interagir no processo ajudando-o a definir seu ponto de partida que irá traduzir-se no tema gerador geral.

2º Momento: Tematização    -  Através da seleção de temas e palavras geradoras, realizamos a codificação e decodificação desses temas buscando o seu significado social, ou seja, a consciência do vivido. Através do tema gerador geral é possível avançar para além do limite de conhecimento que os educandos têm de sua própria realidade, podendo assim melhor compreendê-la a fim de poder nela intervir criticamente. Do tema gerador geral deverão sair as palavras geradoras. Cada palavra geradora deverá ter a sua ilustração que por sua vez deverá suscitar novos debates. Essa ilustração (desenho ou fotografia) sempre ligada ao tema, tem como objetivo a "codificação", ou seja, a representação de um aspecto da realidade, de uma situação existencial construída pelos educandos em interação com seus elementos.



[1] A consciência mágica não chega a acreditar –se de “superior aos fatos, dominando-os fora, nem se julga livre para entende-los como melhor lhe agradar”. Simplesmente os capta, emprestando-lhes um poder superior, que os domina de fora e a que tem, de submeter-se com docilidade. È próprio desta consciência o fatalismo, que leva ao cruzamento dos braços, à impossibilidade de fazer algo diante do poder dos fatos, sob os quais fica vencido o homem. ( Freire:1992, pg 113)
[2] A consciência crítica “é a representação das coisas e dos fatos como se dão na existência empírica. Nas suas correlações causais e circunstanciais”. (Freire: 1992, pg 113)

Após a etapa de investigação (estudo da realidade), passa-se à seleção das palavras geradoras, que deverá obedecer a três critérios básicos:
a) Elas devem necessariamente estar inseridas no contexto social dos educandos.
b) Elas devem ter um teor pragmático, ou melhor, as palavras devem abrigar uma pluralidade de engajamento numa dada realidade social, cultural, política etc...
c) Elas devem ser selecionadas de maneira que sua seqüência englobe todos os fonemas da língua, para que com seu estudo sejam trabalhadas todas as dificuldades fonéticas.

3º Momento: Problematização - Busca da superação da primeira visão ingênua por uma visão crítica, capaz de transformar o contexto vivido. "A problematização nasce da consciência que os homens adquirem de si mesmos que sabem pouco a próprio respeito. Esse pouco saber faz com que os homens se transformem e se ponham a si mesmos como problemas"(Jorge, 1981:78).

OBRAS PUBLICADAS


  • A propósito de uma administração. Recife: Imprensa Universitária, 1961.
  • Conscientização e alfabetização: uma nova visão do processo. Estudos
  • Universitários – Revista de Cultura da Universidade do Recife. Número 4, 1963: 5-22.
  • Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1967.
  •  Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1970.
  • Educação e mudança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1979.
  • A importância do ato de ler em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora, 1982.
  • A educação na cidade. São Paulo: Cortez Editora, 1991.
  • Pedagogia da esperança. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1992.
  • Política e educação. São Paulo: Cortez Editora, 1993.
  •  Cartas a Cristina. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1974.
  •  À sombra desta mangueira. São Paulo: Editora Olho d’Água, 1995.
  •  Pedagogia da autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.
  • Mudar é difícil, mas é possível (Palestra proferida no SESI de Pernambuco). Recife: CNI/SESI, 1997-b.
  • Pedagogia da indignação. São Paulo: UNESP, 2000.
  • Educação e atualidade brasileira. São Paulo: Cortez Editora, 2001.

2 comentários:

  1. A prática do velejar coloca a necessidade de saberes
    fundantes como o domínio do barco, das artes,como o
    compõem e da função de cada uma delas, como o
    conhecimentos dos ventos, de sua força, de sua direção.
    Os ventos e as velas, a posição das velas, o papel do
    motor e da combinação entre o motor e as velas.
    Na prática do velejar se confirmam,se modificam ou se
    ampliam esses saberes.


    Paulo Freire, 1996

    ResponderExcluir
  2. seus textos são muito bom, pois, é atravé sdeles que enchergamos nossa realidade diária .

    ResponderExcluir